quinta-feira, janeiro 20, 2011

Recurso natural embaixo da terra não é riqueza

A Coréia do Sul, através de uma parceria com a iniciativa privada vai começar a extrair lítio da água do mar. Enquanto isso a Bolívia ficará sentada em cima de uma das maiores reservas de lítio do mundo, sem extrair de lá benefício algum porque a lei boliviana impede a participação de empresas, principalmente estrangeiras, no processo de extração, argumentando que eles 'roubariam' a riqueza. Que riqueza?

Qualquer produto só se torna uma riqueza a partir do momento que ele é extraido e comercializado. Embaixo da terra não vale nada.

Ellis Wyatt já sabia.

3 comentários:

Jeferson Pereira disse...

Saudações Giovani!

Concordo plenamente com você. Realmente, o torna um país rico não é apenas o fato de possuir recursos naturais em larga escala e sim a sua capacidade exploratória e comercial desses recursos.

Talvez os dirigentes bolivianos estejam aguardando o momento em que possam usufruir dessas reservas a partir do desenvolvimento de tecnologias próprias, através de iniciativas bolivianas. A pergunta é: Quanto tempo isso levaria? Mais uma vez os latino-americanos padecem de seu medo. Medo este que impede o desenvolvimento e tende a obstar melhorias na qualidade de vida das pessoas. Que medo seria este? Não se trata daquele velho temor de que as riquezas escoem através das "veias abertas a América - Latina"? Parte desse medo (do roubo de “riquezas”) não se deve às ações esquerdizantes, presentes e ativas em solo latino-americano?

Um grande abraço!

Anónimo disse...

Terminei de ler o livro. Bom pra caramba mesmo. Dos 'desaparecimentos', o do Wyatt é o mais legal de todos.

Anónimo disse...

Na verdade os comunas (infiltrados em todas as esferas estatais e agora já nas civis), manejaram nestes últimos 40 anos e estão preparando para se apoderar de todos os recursos naturais do planeta - sem recursos, morrerá a mola que move o mundo, e com ela os Estados Unidos. Mas há uma coisa que os comunistas não pensaram...